quarta-feira, 28 de setembro de 2011

O que são os Chakras?

A palavra chakra vem do sânscrito e significa roda, círculo ou movimento, e é essa a definição básica de um chakra, tem aparência de uma roda sempre circulando, sempre em movimento.

Chakras são centros energéticos do nosso corpo que funcionam como portais de energia fazendo a captação, contenção e distribuição desta energia para todos os corpos que possuímos. Os chakras estão localizados num destes corpos, o duplo etérico e fisicamente podemos localizá-los tendo como base a espinha dorsal e a cabeça.

São sete os principais chakras, cada qual correspondendo a um dos sete corpos, porém existem milhares destes centros de energia espalhados pelo corpo. Os principais chakras estão diretamente ligados ao sistema nervoso e as glândulas endócrinas e possuem funções e características específicas. Seu funcionamento varia de acordo com as energias captadas interna e externamente, e sua rotatividade pode ser tanto no sentido horário quanto anti-horário, variando de acordo com a energia do indivíduo.

São divididos em três grupos: inferior (1º, 2º e 3º), médio (4º) e superior (5º, 6º e 7º) e existem três nós (1º, 4º e 6º) a serem quebrados por onde é liberado o fluxo de subida da energia Kundalini.

Como Equilibrar e Energizar os Chakras

Existem diversas formas e práticas que equilibram e ativam o funcionamento destes chakras. São elas o Yoga, Acupuntura, Massagem Tântrica, Mantra, Mentalização, Meditação, Cromoterapia, Aromaterapia, Radiestesia, Cristaloterapia, etc.

Cuidados

É importante consultar um profissional que conheça profundamente os chakras, seu funcionamento e efeitos, para então definir quais serão trabalhados e qual técnica melhor utilizada para cada caso, sendo prejudicial misturar muitas técnicas.

Uma Breve Descrição dos Chakras

Muladhara Chakra

Raiz, base, portanto é a nossa estrutura de base.
Localização: Na base da espinha dorsal, na região que compreende os genitais e pélvis.
Forma geométrica: Quadrado, 4 pétalas.
Elemento: Terra.
Cor: Vermelho (tonificar), violeta, azul ou rosa (sedar).
Mantra: Lam.
Corpo: Físico ou Anna Maya Kosha - Corpo ilusório do alimento.
Órgãos: Aparelho reprodutor e membros inferiores.
Glândulas: Gônadas sexuais.
Idade: 0 a 7 anos.
Planeta: Marte.
Polaridade: Energia masculina.
Animal: Elefante.
Características: É onde nasce e reside a energia Kundalini que se movimenta em espiral pelas nadis (meridianos) ida e píngala. Centro erótico do ser, raiz do crescimento e desenvolvimento, consciência da realidade, da matéria, sentimento de posse, apego, mente inquieta, inocência, confiança.
Funções: Sobrevivência, que compreendem aspectos ligados ao dinheiro, alimentação e sexo.

Swadhisthana Chakra

Morada do ser, Ego.
Localização: Região lombar logo abaixo do umbigo.
Forma geométrica: Círculo, com uma lua crescente e 6 pétalas.
Elemento: Água.
Cor: Laranja (tonificar), azul ou verde (sedar).
Mantra: Vam.
Corpo: Etérico, prânico ou Prana Maya Kosha – Corpo ilusório energético etérico.
Órgãos: Rins, bexiga, baço e coluna vertebral.
Glândulas: Supra renais.
Idade: 8 a 14 anos.
Planeta: Mercúrio.
Polaridade: Energia feminina.
Animal: Crocodilo.
Características: Expansão da personalidade, energia de paixão, sensualidade, impotência, frigidez, baixa libido, fantasias, ciúme, inveja, alegria, coragem.
Funções: Garante tudo que atraímos para si e compreende sedução, criatividade e relacionamentos.

Manipura Chakra

Cidade das gemas.
Localização: Um pouco acima do umbigo.
Forma geométrica: Triângulo invertido, 10 pétalas.
Elemento: Fogo.
Cor: Amarelo (tonificar), violeta, azul ou verde (sedar).
Mantra: Ram.
Corpo: Kama Maya Kosha – Corpo ilusório dos desejos.
Órgãos: Sistema digestório: estômago, fígado e vesícula biliar e o sistema nervoso.
Glândulas: Pâncreas.
Idade: 14 a 21 anos.
Planeta: Sol.
Polaridade: Energia masculina.
Animal: Carneiro.
Características: Reconhecimento, desenvolvimento do ego, liderança, trabalho, escolhas, bem estar físico e emocional, conquistas, insegurança, arrogância, ansiedade, medo.
Funções: Poder pessoal compreendendo poder, escolhas e individualidade.

Anahata Chakra

Intocado ou Inviolado.
Localização: No meio do peito.
Forma geométrica: Estrela de seis pontas, 12 pétalas.
Elemento: Ar.
Cor: Verde, rosa (tonificar), violeta, magenta.
Mantra: Yam.
Corpo: Ananda Maya Kosha - Corpo ilusório da felicidade.
Órgãos: Coração e pulmões.
Glândulas: Timo.
Idade: 21 a 28 anos.
Planeta: Vênus.
Polaridade: Energia Feminina.
Animal: Gamo.
Características: Chakra intermediário, centro energético do amor, impulso de abraçar a verdade, o amor universal, sentimentos de altruísmo, harmonia do exterior com interior, felicidade, esgotamento, insônia, dificuldade para chorar, aceitar ajuda, crise de identidade.
Funções: Discernimento e sentimento compreendendo aspectos de compaixão, perdão, verdade e gratidão.

Vishuddha Chakra

Centro da Pureza.
Localização: Garganta.
Forma geométrica: Lua crescente, 16 pétalas.
Elemento: Ar e éter.
Cor: Azul, turquesa (tonificar), laranja e violeta.
Mantra: Ham.
Corpo: Mental ou Manas Maya Kosha – Corpo ilusório do conhecimento.
Órgãos: Garganta, boca e nariz.
Glândulas: Tireóide.
Idade: 28 a 35 anos.
Planeta: Júpiter.
Polaridade: Energia Masculina.
Animal: Elefante.
Características: Nele estão situadas características de todos os chakras, sendo relacionado cada um a uma vértebra. Busca do conhecimento, intelecto, razão, consciência cósmica, criatividade, espiritualidade, auto reflexão, discernimento, ligação do consciente com inconsciente, dificuldade em se expressar, auto crítica, silêncio, tensão, dons artísticos, poesia.
Funções: Responsável pela expressão que compreende aspectos de comunicação e compreensão.

Ajña Chakra

Terceiro Olho.
Localização: Entre as sobrancelhas.
Forma geométrica: Círculo, bindu, 2 pétalas.
Elemento: Éter.
Cor: Azul royal, índigo, dourado ou violeta.
Mantra: Om.
Corpo: Do conhecimento, Corpo Mental ou Jhana Maya Kosha – Corpo ilusório da sabedoria pura.
Órgãos: Olhos e ouvidos.
Glândulas: Pituitária, hipófise.
Idade: 35 a 42 anos.
Planeta: Saturno e Vênus.
Polaridade: Energias Masculina e feminina.
Animal: Animal de poder.
Características: Local de encontro das nadis Idala e Píngala. Manifestação divina, sentido espiritual, clarividência, perdão, compaixão, eliminação da dualidade, cura, força de pensamento, visualização, compreensão de si mesmo, faculdades de ver e ouvir corretamente, julgamento, intelecto, aquisição de conhecimento e sabedoria.
Funções: Consciência de observação, com aspectos de intuição, consciência e desidentificação dos condicionamentos e padrões que aprisionam o ser. Produz Siddhis.

Sahashara Chakra

Chakra de mil pétalas.
Localização: Topo da cabeça.
Forma geométrica: Círculo, 1000 pétalas.
Elemento: Presença de todos os 5 elementos.
Cor: Magenta, Arco íris ou branco.
Mantra: Shan.
Órgãos: Cérebro.
Corpo: Espiritual ou búdico ou Buddhi Maya Kosha.
Glândulas: Pineal.
Idade: 42 a 49 anos.
Planeta: Ketu.
Características: Reúne característica e energias dos outros chakras. Portal de entrada da espiritualidade, iluminação, evolução, silêncio, meditação, memória, contato com o divino, auto realização, sabedoria, coroação, perfeição, liberdade.
Funções: Organiza todos os aspectos da mente, ou seja, não-mente, intelecto, mente identificada. Produz Samádhi (iluminação).

Fonte: Raquel Frota
equipe viver alternativo

A Árvore da Vida


A Árvore da Vida é uma diagramação sistematizada que representa o cosmo (micro e macro) em toda a sua complexidade, e também o espírito humano em suas inter-relações. Esta estrutura é composta por 10 "Sefirot" (no singular se diz "Sefirá"); o termo "Sefirot" foi mencionado pela primeira vez no "Sefer Ietzirah" (Livro da Formação) escrito a 4 mil atrás pelo Patriarca Abraão, designando os 10 números primordiais que somados às 22 letras do alfabeto hebraico formam os “32 Caminhos da Sabedoria”.

A palavra "Sefirá" tem dois significados: um é contar, o outro é limite ou fronteira. De acordo com a Cabala, existem 10 dimensões para a nossa realidade, as "Sefirot" funcionam como canais através dos quais a Luz Infinita (Ain Sof Aur) chega até nós, animando o nosso universo inteiro. Cada "Sefirá", como um filtro, reduz sucessivamente a emanação da Luz, diminuindo gradativamente sua intensidade até se aproximar do nosso mundo físico dos cinco sentidos.

Por cada Sefirá que passa, a Luz se manifesta de forma diferente, mas sem nunca mudar sua essência. É como se colocássemos um filtro colorido na luz do sol; nós a veremos azul, vermelha ou verde, mas a Luz não muda nunca, o que muda é o recipiente. Elas também são conhecidas como os "atributos divinos" ou "emanações sagradas", já que cada uma delas está relacionada a um atributo ou qualidade de D'us.

Para compreender cada nível das "Sefirot", devemos primeiramente considerar as 10 esferas como um processo único, no qual cada "Sefirá" evolui para uma outra, como elementos interdependentes que passam por uma metamorfose num processo gradual e dinâmico. Devemos estar sempre com a visão da Árvore como um TODO.
1) KETER (Coroa, Semente) – A Sefirá de Keter é a primeira, e está ligada ao Mundo de Adam Kadmon - Homem Primordial. Keter faz parte do triângulo superior ou supremo (junto a Chochma e Binah), que está além da nossa realidade física. Keter se situa no topo da coluna central (Pilar do Equilíbrio) . A coroa normalmente está na cabeça do rei, mas não pertence ao corpo do rei, pertence ao reino. Para cada ação existe um pensamento que a precede. Keter é a semente das manifestações que vão acontecer no mundo físico. É o potencial da manifestação. Imagine como uma semente de uma árvore que já contém a toda a árvore dentro de si e que desaparece quando a árvore brota. Keter é a inteligência ardente que canaliza a Força da Luz da Criação para as demais Sefirot. Funciona como um super computador que contém o inventário total do que cada um de nós é, alguma vez foi ou será. Como tal, não só é a gênese de nossas vidas neste reino da Terra, mas de todo pensamento, idéia ou inspiração que teremos enquanto estivermos em nossa jornada.

2) CHOCHMA (Sabedoria) – Localizada no topo da coluna direita (Pilar da Misericórdia) mantém-se como a figura do Pai Universal. É o primeiro recipiente a conter toda a Sabedoria do universo e contém a totalidade da Luz. É o pensamento intuitivo em sua forma mais pura, o "estalo", a criatividade, o inconsciente, toda atividade ligada ao lado direito do cérebro. Em outras palavras, Chochma pode ser comparada a um tolo que carrega uma enciclopédia nas costas. A possessão da enciclopédia não torna o homem mais inteligente. A Sabedoria, encapsulada em si mesma, passiva, não tem nenhum valor em qualquer plano de existência. Para ser manifestada, a Sabedoria de Chochmah precisa de uma conexão com a energia ou consciência de Binah.

3) BINAH (Entendimento, Compreensão) – É a figura da Mãe Cósmica ou Divina e situa-se no topo da coluna esquerda (Pilar da Severidade). É uma usina geradora de energia cósmica, desde aquela que motiva o empenho humano até aquela que mantém as galáxias em movimento. É o raciocínio e a lógica que definem e dão forma ao "estalo" que vem de Chochma, transformando-o em pensamento, proporcionando o desenvolvimento mental de uma idéia. É o lado esquerdo do cérebro, o consciente, os processos mentais.
Binah interioriza o conteúdo de forma que a informação se torna conhecimento e parte da pessoa. Quando o pensamento precisa ser manifestado em ação, Chochma e Binah se encontram, combinam suas energias e transformam informação bruta em conhecimento. Este conhecimento superior é chamado de DAAT e é considerado como a "11ª Sefirá" ou "Sefirá Oculta" localizada na coluna central, abaixo de Keter. É interessante notar que a ciência, exatamente como a Cabala, atribui a criatividade e a intuição ao lado direito do cérebro e a lógica e a racionalização com o lado esquerdo do cérebro.

4) CHESED (Misericórdia, Compaixão) – Situa-se na coluna direita, logo abaixo de Chochma. É também a primeira das Sete Sefirot inferiores, com as quais nos relacionamos.Mas as Sefirot são inteligências muito elevadas, então como nos conectar com elas? Precisamos de instrumentos, canais para fazer essa conexão. Da mesma forma que sabemos que existe eletricidade na tomada, mas precisamos de instrumentos - cabos ou aparelhos - entre nós e a eletricidade para que ela possa se revelar. O canal para Chesed é o patriarca Abraham (Abraão), pois ele foi o canal que manifestou a inteligência de Chesed, misericórdia e gentileza, no mundo. Quando queremos nos conectar com essa energia, devemos meditar em Abrahão. De acordo com a Guematria, a numerologia cabalística, as letras hebraicas que formam a palavra Chesed somam 72, relacionando-a com o poder dos 72 nomes de D'us. Essa relação nos ensina que, para que possamos ativar o poder dos 72 nomes, devemos ter misericórdia, gentileza pelo nosso próximo. A expressão física da esfera de Chesed é a água. Chesed representa o total Desejo de Compartilhar. É o doar incondicionalmente, o estender a mão (por isso em nosso corpo se relaciona com o braço direito), é o fluxo de energia que se expande abundante e incontrolavelmente, por isso é considerada a mais expansiva das Sefirot. Chesed sem equilíbrio é aquela pessoa pobre que ganha na loteria e dá cada centavo de sua nova fortuna para caridade e deixa a própria família pobre. Desenfreada, Chesed doa até quase machucar. Felizmente, tem uma contraparte de equilíbrio, a Sefirá de Gevurah.

5) GEVURAH (Severidade, Julgamento, Força) – Situa-se na coluna esquerda, logo abaixo de Binah. O canal para Gvurah é o patriarca Yiztchak (Isaac), filho de Abraham, e no nosso corpo essa Sefirá se relaciona com o braço esquerdo. Enquanto Chesed doa incondicionalmente, Gevurah é a avarenta. Onde Chesed se expande, Gevurah se contrai. Onde Chesed diz, "Compartilhe", Gevurah diz "e o que eu ganho com isso?" Onde Chesed celebra o heroísmo. É pura contração, restrição, é a força que permite o controle e o domínio sobre os impulsos. Gevurah, sem rédeas, sem o equilíbrio de Chesed, se torna a tirania de um estado policial, podendo levar a autocontenção e se transformar em uma fonte de energia para sentimentos de ódio e medo. Mas assim como a Sabedoria de Chochma não pode se manifestar sem a energia de Binah, a semente indiferenciada em Chesed nunca poderia se tornar a árvore diferenciada sem a mão forte de Gevurah. Gevurah canaliza energia espiritual para superar obstáculos e atingir objetivos específicos, e é a força essencial para realizarmos nossa principal missão nesta vida: transformar a nossa natureza.

6) TIFERET (Beleza, Equilibrio) – Está relacionada com a Coluna Central. Localiza-se abaixo e entre as Sefirot de Chesed e Gevurah. Junto com Chesed e Gevurah, forma a tríade superior do Maguen David (Escudo/Estrela de David). O canal para Tiferet é Yaakov (Jacob) e no corpo humano, está relacionada ao tronco (coração, pulmões, etc.). Tiferet é Beleza porque é o ponto de equilíbrio entre as colunas direita e esquerda, gerando a harmonia, sem a qual beleza nenhuma poderia existir. Também representa a verdade, que vem com esse equilíbrio. Tiferet nos ensina quando compartilhar e como faze-lo com equilíbrio, e quando receber ou julgar com amor. Representa aquele equilíbrio entre julgamento e misericórdia que permite a um pai disciplinar seu filho pelo amor ao invés de fazê-lo pela força reativa.

7) NETZACH (Vitória, Eternidade) – Situa-se na coluna direita, logo abaixo de Chesed. É um armazém de energia positiva de Chesed, que irradia o Desejo de Compartilhar e se torna o canal dessa energia na medida em que começa a abordar o mundo físico no qual vivemos. É Vitória no sentido de vencer as próprias limitações e Eternidade no sentido de expressar os pensamentos eternamente. É a primeira Sefirá onde há reciprocidade, sendo responsável pela necessidade que o homem tem de se relacionar com o outro. É análoga ao esperma que, em união com o óvulo, irá criar, em última instância, um ser humano individual. Netzach também representa os processos involuntários e o lado direito do cérebro, a emoção, a intuição, onde o processo criativo acontece. Em resumo, Netzach é o artista, o poeta, o músico, o sonhador e o princípio fertilizador masculino. No corpo, está relacionada à perna direita e o canal para energia de Netzach é Moshé (Moisés), porque trouxe a eternidade, a vida eterna, ao universo.

8) HOD (Glória, Esplendor) – Localiza-se na coluna esquerda, abaixo de Gevurah, e no corpo humano corresponde à perna esquerda. O canal para nos conectar com a energia de Hod é Aharon HaCohen (Aarão). Análoga ao óvulo na concepção humana, essa Sefirá inicia a materialização do que aconteceu somente em potencial em Chesed/Netzach, assim como uma mulher dá à luz o que foi concebido em conjunção com o princípio fertilizador masculino. Hod permite que a energia repassada de Netzach seja apropriada e aceitável para quem a recebe, sendo responsável por criar um espaço interno para que se possa identificar com o outro e, conseqüentemente, aceitar o outro. Assim como dissemos anteriormente que Netzach é o artista, Hod é o cientista, o lógico, o craque da matemática e o contador. Sua qualidade espiritual enfatiza a humildade e o reconhecimento. Hod também controla os processos voluntários e atividades do lado esquerdo do cérebro, o racional, a mente concreta, canalizando a praticidade de Gevurah na psique humana.

9) YESOD (Fundamento, Alicerce) – Conhecida como "receptáculo das emanações", situa-se como um grande reservatório abaixo das oito Sefirot das quais falamos anteriormente. Todas as Sefirot acima emanam sua inteligência e seus atributos para o vasto recipiente de Yesod, onde são misturados, equilibrados e preparados para transferência de um esplendor radiante de influxo divino a uma próxima Sefirá. O canal para nos conectar com Yesod é José (Yoseph), e no corpo humano essa Sefirá está relacionada aos órgãos sexuais. Metaforicamente falando, Yesod é como uma betoneira, aquele caminhão de cimento, que junta água, areia e todos os componentes em sua forma bruta, os mistura e verte uma mistura úmida que, finalmente, endurecerá e se solidificará como cimento, que seria a matéria do nosso universo físico, conhecido como Malchut.

ZEIR ANPIN – Antes de falar sobre a Sefirá de Malchut, é importante explicar o que é Zeir Anpin, que se refere a algumas das Sefirot anteriormente mencionadas. Os antigos Cabalistas explicam que das dez dimensões existentes, seis dimensões em particular (Chesed, Gevurah, Tiferet, Netzach, Hod e Yesod) estão firmemente envolvidas, uma dentro da outra, compactadas em uma dimensão conhecida como Zeir Anpin ou Mundo Superior. Toda a Luz que recebemos em nosso mundo físico vem de Zeir Anpin.

10) MALCHUT (Reino) – A última das Sefirot. Ela contém o mundo da fisicalidade e o nível de revelação. É a única das Sefirot onde a matéria física parece existir. É aqui que a mistura "despejada" por Yesod endurece como pedra, adquire estrutura e assume forma física. Em nosso corpo está relacionada aos pés e o canal para Malchut é o Rei David. Está também relacionada ao mundo da manifestação, da ação, e tem a ver com nossa existência física; comer, trabalhar, dançar, etc. É nesta dimensão que as divergências na atitude humana significam a diferença entre as vidas individuais.É em Malchut que ocorre o maior "Desejo de Receber", porque essa dimensão ­ nosso universo ­ é a que está mais distante da fonte de Luz. Por isso, este nosso reino é onde existe maior sentimento de "falta". A Cabala explica ainda que, cada um dos dez níveis das Sefirot também contém mais dez níveis, os quais contém mais dez, e assim por diante, infinitamente, como fractais. Essa estrutura atua como um prisma que refrata a Luz em várias freqüências, gerando a diversidade que compõe o espectro inteiro da criação. Toda criatura neste planeta também está imbuída dessa mesma estrutura, e tudo o que existe em nosso mundo físico, se origina no reino não-físico das Sefirot. Esses Mundos Superiores são os portais através dos quais a energia espiritual flui para nossa dimensão, e podemos alcança-los através de compartilhar com o próximo, orações, transformação espiritual, meditação e a fé absoluta na Unidade (Eu e o Pai somos Um).

Existe a Sephira invisível, DAAT, localizada próxima à tríade superior. É a sephira que representa o Abismo, a morada de Choronzon.

OS TRÊS VÉUS

AIN (Nada, Inexistência) – Representa a Existência Negativa. O Imanifesto. Nenhuma palavra do vocabulário humano pode definir tal abstração. Esta idéia exclui toda a ligação com tempo e espaço. O AIN não existe ou está. O AIN, simplesmente, "É".

AIN SOF (Sem Fim, Infinito) – Difere do primeiro tão-somente no que pressupõe a idéia de tempo e espaço, pela inclusão dos termo SOF (Fim). Constitui também a idéia de Existência Negativa.

AIN SOF AUR (Luz Infinita) – Aproxima-se um passo a mais em direção à apreensão humana, pela inclusão do termo OR (Luz). Apesar disso, o AIN SOF AUR permanece incompreensível e constitui o terceiro véu de Existência Negativa.


Fonte: Eduardo Ruiz
equipe viver alternativo